13/11/2019

Todo mundo chora

A verdade é que ao chorar cada um manifesta seu motivo particular ou existencial. Cada gota quer dizer uma coisa. Cada um tem uma história para contar. Os brutos, por exemplos, também choram… E aqui acolá amam.

 

Nem me venha com essa de que você nunca chorou. Nessa questão não há dúvidas: todo mundo chora. Porque o homem é o único animal que ri e chora de sua própria condição animal, como ensinou e nos fez rir Luís Fernando Veríssimo.

Seja o mais durão ou o mais fraquinho, o mais lindo ou o mais feioso, o mais elegante ou o mais humilde. Não se pode negar: todo mundo chora.

E os motivos são muitos. Tem gente:

• Que chora quando nasce e chora para não morrer;

• Que chora porque não aprendeu a sorrir;

• Que chora para não ser reprovado e repete o ano;

• Que chora antes e depois de ser castigado;

• Que chora num velório, sem saber direito quem é o morto;

• Que chora por tudo e depois não quer mais nada.

“Encosta tua cabecinha no meu ombro e chora”

O choro não tem classe social. É de graça. Todo mundo tem. Assim não precisar pedir emprestado. Até o Filho do Homem chorou antes de cumprir sua missão. Pena é que suas lágrimas já tenham secado no coração de alguns.

Mas como tem gente:

• Que chora quando ganha uma casa e quando perde também;

• Que chora para ser beijado, crente que vira príncipe;

• Que chora como ator querendo vaga na novela;

• Que chora quando derruba o celular novo pela primeira vez;

• Que chora porque vê os outros chorando;

• Que chora hoje para se garantir amanhã.

Choro é o banho da alma.

A verdade é que ao chorar cada um manifesta seu motivo particular ou existencial. Cada gota quer dizer uma coisa. Cada um tem uma história para contar. Os brutos, por exemplos, também choram… E aqui acolá amam.

Para acabar com essa choradeira, ainda tem gente:

• Que chora por amor eterno, mas logo passa;

• Que chora grudento, misturando lágrimas com baba e suor;

• Que chora na cama solitária e na rede social;

• Que chora tanto por si que não sobra nada para seu ninguém;

• Que chora por um cigarro e morre numa tragada;

• Que chora, soluça, chora, soluça, chora…

Como se pode notar, o choro é um desabafo contínuo, seja ele pessoal ou coletivo, espalhafatoso ou circunspecto. Quem chora põe os sentimentos para fora, relaxa um pouco, evita uma úlcera. Vive até mais tempo.

 

Fonte: Prof. Antonio Santos
Veja também