13/11/2018

Câmara realiza Audiência Pública com INSS para discutir cortes nos benefícios de deficientes

Vereador Fernando Miranda sugeriu que o legislativo e as entidades formulem uma representação ao Ministério Público Federal para que a justiça seja informada e busque soluções para os problemas apresentados.

Vários benefícios foram cortados sem nenhuma justificativa. Câmara de vereadores de campo Maior busca solução para a questão junto à justiça

Uma audiência pública com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), na manhã da última sexta-feira (21/09), no plenário da Câmara Municipal, debateu os recentes cortes nos benefícios de deficientes de Campo Maior. O encontro reuniu Câmara de Vereadores, associações, conselhos municipal, secretarias, INSS e Ministério Público.

As entidades que representam as pessoas com deficiências relataram que vários benefícios foram cortados ou suspensos sem a devida justificativa. Elas reclamam ainda das dificuldades no agendamento de atendimento, grosseria de médicos no momento das perícias, falta de médicos no dia marcado para realização de perícias.

A gerente regional do INSS, Margarete Andrade, explicou que o governo federal através de medida provisória busca melhorar o gasto público e convocou os beneficiários para reavaliação. Porém, por algum motivo as cartas não chegaram a muitos dos endereços, as pessoas não compareceram para a avaliação e tiveram o salário suspenso.

Margarete respondeu ainda a dúvidas sobre as dificuldades de atendimento. “É um problema nacional. Os atendimentos são agendados pelos próprios usuários no número 135. Mas esse número muitas vezes está com problemas. Nós no INSS também sofremos muito com isso. O que fazemos lá é cumprir o que é definido pelo governo”.

O presidente do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, Luiz Cadeira, avaliou a audiência. “Umas das coisas bastante relevante desse encontro foi a gente entender o que está acontecendo: os servidores do INSS muitas vezes são vítimas da própria legislação e há uma necessidade das entidades pressionarem o congresso nacional para mudar essa legislação.”

Ao final do encontro, o presidente da Câmara de Campo Maior, vereador Fernando Miranda, sugeriu que o legislativo e as entidades formulem uma representação ao Ministério Público Federal para que a justiça seja informada e busque soluções para os problemas apresentados.

Veja também