18/04/2019

Treze mortos em menos de 24 horas na Venezuela

O ditador Nícolas Maduro está por um fio. Em Bolívar, uma estátua de Hugo Chávez foi queimada por dezenas de manifestantes na cidade de San Félix, por volta da meia-noite de terça.

Situação na Vezezuela é insustentável para o ditador Nicolas Maduro. Vários países já reconheceram o novo presidente

Treze pessoas foram mortas na Venezuela nas últimas 24 horas em protestos contra o ditador Nicolás Maduro, informou a ONG Observatório Venezuelano da Conflitividade Social (OVCS).

Os manifestantes foram assassinados pela guarda de Maduro em Caracas e nos estados de Táchira, Barinas, Portuguesa, Amazonas e Bolívar, na fronteira com o Brasil.

A polícia de choque atacou um grupo de manifestantes nesta quarta-feira em um bairro do leste de Caracas, após uma passeata na qual o líder do Parlamento, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino da Venezuela.

Os choques começaram quando dezenas de jovens, alguns encapuzados, bloquearam uma importante avenida no bairro de Altamira, e a polícia de choque utilizou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os manifestantes.

Em Bolívar, uma estátua de Hugo Chávez foi queimada por dezenas de manifestantes na cidade de San Félix, por volta da meia-noite de terça.

Os protestos desta quarta-feira, que deixaram cerca de 20 detidos, foram a primeira grande queda de braço entre Maduro e a oposição nas ruas, após as manifestações que resultaram em 125 mortos entre abril e julho de 2017.

Convocados por Guaidó, os opositores exigiram a saída de Maduro e a convocação de eleições livres por um governo de transição.

Fonte: AFP Internacional
Veja também