20/11/2019

Bolsonaro impõe à Rede Globo a maior humilhação da história da Televisão

O presidenciável Jair Bolsonaro, líder de todas as pesquisas eleitorais, foi o sabatinado desta sexta-feira (03) na GloboNews, canal de notícias da Rede Globo. Na sabatina, Bolsonaro foi mortal para o jornalismo da Globo, que fez um silêncio sepulcral diante de uma pergunta de Bolsonaro.

A jornalista da Globo Mirian Leitão gaguejou enquanto repetia as informações que a central lhe repassava por meio de ponto eletrônico. Depois do “boa noite” a jornalista foi chamada de volta à cena para repetir a desastrosa nota da Globo

O presidenciável Jair Bolsonaro, líder de todas as pesquisas eleitorais, foi o sabatinado desta sexta-feira (03) na GloboNews, canal de notícias da Rede Globo.

Como é comum nas entrevistas com Bolsonaro, que é capitão do Exército, o tema descambou para o Regime Militar de 1964.

Bolsonaro alegou que o regime de 64 teve amplo apoio popular, inclusive da imprensa e citou o emblemático editorial do Jornal ‘O Globo’ assinado por Roberto Marinho no Dia 1° de Abril de 1964 parabenizando os militares por intervir no país e resolver a crise política em que o Brasil se encontrava.

Bolsonaro, acusado de defender a “ditadura”, perguntou: “Roberto Marinho era a favor da ditadura ou da democracia?” Um silêncio sepulcral tomou conta do estúdio da Globo News. Ninguém disse uma só palavra.

Edição de “O Globo” onde Roberto Marinho defende a intervenção militar e diz que o exército salvou o Brasil do comunismo e atendeu aos anseios do povo brasileiro, que clamava pela intervenção

O Jornalismo da GloboNews, claramente com viés esquerdista, ficou tão irritado que ao final do programa resolveu fazer pedir um ‘direito de resposta’ para contestar a opinião do próprio fundador e alma da Rede Globo.

Bolsonaro obrigou os jornalistas da Rede Globo mancharem e metaforicamente cuspirem na história e legado do fundador da empresa.

Pelo ponto eletrônico, Miriam Leitão repetiu gaguejando uma nota da emissora afirmando que num editorial de 2013 (Roberto Marinho já havia falecido) o jornal – provavelmente por pressão do governo Dilma – pedia desculpas por ‘ter apoiado o Golpe de 64’, um editorial que não muda em nada os fatos relatados por Bolsonaro,  já que na ocasião Roberto Marinho já havia falecido.

Imediatamente milhares de comentários na internet ridicularizam o jornalismo da Globonews. A Globo news foi exposta ao ridículo.

A Globo passou pela maior humilhação da sua história.

Confira o vídeo onde Mírian Leitão, sem jeito e gaguejando, fala sobre a edição do jornal O Globo, onde Roberto Marinho exaltou a participação do exército no livraento do Brasil do comunismo: